ANTIGUIDADE REVELADA NA NATUREZA DO CAPÃO

A antiguidade da Chapada Diamantina tem início com a sua geologia que apresenta rochas com idade superior a 1 bilhão de anos, testemunhando a memória do fenômeno do Pangea. Essa antiguidade é também revelada na memória de comunidades nativas, remanescentes de povoados indígenas, comunidades negras descendentes de escravos e remanescentes de quilombos, comunidades tradicionais, garimpeiros, entre outras diferentes culturas, com seus ritos e histórias vivas. 
  
O município de Palmeiras foi emancipado de Lençóis em 1890, que foi emancipado de Santa Isabel do Paraguaçu - Mucugê em 1856, que foi emancipado de Minas do Rio de Contas - Rio de Contas, a mais antiga cidade da Chapada Diamantina, em 1847. Com sua arquitetura do século XIX, Palmeiras tem como padroeiro Bom Jesus. O Vale do capão tem como padroeiro São Sebastião, comemorado no dia 19 de janeiro com festas populares e apresentações artísticas e culturais do Vale. 
  
O município de palmeiras localiza-se na zona da Chapada Diamantina na Região das Lavras, encravado entre os municípios de Lençóis, Mucugê, Seabra, e Iraquara. Parte do seu território está incluído no "Polígono das Secas" e outra parte, como os povoados de Campo de São João, Cercado, Conceição, Rio Grande, e o distrito de Caeté-Açú, compõem o entorno do Parque Nacional da Chapada Diamantina, criado por decreto em 17/09/1985. A sede municipal apresenta as seguintes coordenas geográficas: 12º 30' 50'' de latitude Sul e 41º 34' 39'' de longitude W. Dista de Salvador, 438 Km e em linha reta 355 km.